5.9.08

186 a 230 - Não poderemos esquecer...

Foto: Petrópolis sem Edifícios e ainda com o SCBEU.


230.- Dos vinhos Capelinha Suave, Sangue de Boi e Raposa, consumidos largamente pelos “hoje sisudos enófilos”,
229.- Dos chocolates Refeição e “Torrão”,
228.- Das Festas de Engenharia com Chico Buarque, Edu Lôbo, Johnny Alf, ....
227.- Da Cachaça Murim e do Ron Merino,
226.- Dos mergulhos profundos no Poço do Dentão,
225.- Da peça “Dona baratinha” com Jesiel Figueiredo,
224.- Das aulas do Prof. William (Bacurau) no Ginásio 7 de Setembro e particulares,
223.- Das quadrilhas de São João da Cirolândia, ‘’marcadas’’ por Ivan Pípolo,
222.- Dos "Festivais de Músicas" no Palácio dos Esportes, com a presença de The Jetsons, Impacto 5, Os Vândalos, ...
221.- Do Acácia Bar, no Grande Ponto,
220.- Do filme "Os Dez mandamentos", que de tão longo tinha o inesquecível intervalo para se fazer "uma boquinha".
219.- Do Guaraná Dore e do Grapette, comprados em grade direto na fábrica na Sílvio Pélico,
218- Do medo da "Viúva Machado" e da "Tintureira",
217.- Da "Casa Rubi", "Casa Régio", "Cantina Lettieri", "Livraria e Papelaria Walter Pereira",
216.- De ir ter ido ver os lançamentos de foguetes da Barreira do Inferno, da estrada de Pium,
215.- Do Beco da Lama, quando era mais lama do que beco,
214.- Das brincadeiras de esconde-esconde, cipó-queimado e amarelinha,
213.- Das irreverências de Tota Zerôncio,
212.- De Olívio, da Confeitaria Delícia, que era português, não se chamava nem Joaquim, nem Manoel, mas morava na Rua Joaquim Manoel,
211.- Dos Piqueniques em Jenipabu, Muriu e Ponta Negra,
210.- Do Trio Irakitan de Edinho, Joãozinho e Gilvan,
209.- Do Zepelim sobrevoando a cidade,
208.- Dos Bondes, que iam até a Ribeira, Alecrim, Ladeira do Sol e ao Aero Clube, 207.- Do Atheneu na Junqueira Ayres, hoje Secretaria de Finanças da Prefeitura,206.- Do Papa-Figo, que ''comia'' o fígado das crianças,
205.- Das Marinetes que transportavam passageiros,
204.- Do Pontilhão na Praça Augusto Severo,
203.- Dos fotógrafos Jorge Mário e Namorado,
202.- Da Cigarreira de David na esquina da João Pessoa com a Princesa Isabel,
201.- Da novela Direito de Nascer,com Mamãe Dolores, Albertinho Limonta e Maria Helena,
200.- De Jerônimo, O Herói do Sertão, Aninha, sua noiva, do Moleque Saci e seu cavalo Goiabada,
199.- De Zé Areia,
198.- De que ambulância significava Samdu,
197.- De que Caern era Saneamento e Cosern Força e Luz,
196.- De comprar na Casa Sem Nome,
195.- Da presença do folclórico Zil, Zil, Zil, nos cinemas,
194.- Das famosas brigas entre marinheiros e soldados do exército na Praça Pio X e Praça Pedro Velho,
193.- Das peladas com bolas de meia e de borracha,
192.- Das festas no Atlântico e Assen,
191.- Do Granada Bar, na Rio Branco,
190.- Da presença alegre de Chico Miséria, tudo que era lugar,
189.- Da Boite Calango, nas quebradas de Ponta Negra,
188.- Dos Pés de Valsa conhecidos como Enceradeiras,
187.- Do Chopp do Ivan, no Largo do Atheneu,
186.- De Boquinha, no Aero Clube,
Contribuição de George Leite/Gereba Melo/ Getúlio Jucá/ Marcos Aranha/Anônimos.

3 comentários:

Jardna disse...

-Dos perfumes e produtos finos comprados na loja "Nova Paris" na Av. Rio Branco-Centro.
-Das distintas "piniqueiras" dizendo: "...Ai da Base, me leva...!" Quano o papa-fila da Base Aérea passava.
-De tomar banho a vapor ao lado do Externato São Luiz.
-De tirar fotos na Pça. Pedro Velho, sentado nas árvores feito cadeiras, pegando na mão da estátua e na beirada dos tanques.
-De ir passear no Forte dos Reis Magos, esquecendo da maré alta na volta.
-Das aulas e apresentação de "balet" no Teatro Alberto Maranhão com a Profa. Edith Vasconcelos.

Danielle disse...

Oi, sou uma natalense saudosa de sua terra, pois hoje moro em outro Estado brasileiro. Gostei muito do blog, também tenho minhas listinhas. Amo essa terra! Tenho uma sugestão: no lugar dos tópicos, seria bacana um pequeno texto, que descrevessem melhor as situações listadas, pois contextualizariam melhor para quem não lembra tão bem ou quem não viveu tais situações. Tenho 30 anos, então algumas coisas eu não conheço, mas tenho muita curiosidade em saber mais da história de minha cidade querida.

ESDRAS R. NOBRE disse...

Quem não se lembra? Dos pic-nics em Ponta Negra (muitas vzs de caminhão com a turma do Atheneu ( que não podia se encontrar com a do Marista e do "Industrial")-Década 70. Das farras nas dunas da praia de Genipabu onde a galera descia "rolando" até a praia... quanta bagunça fazíamos! Até dentro dos ônibus os alunos do Atheneu eram "temidos".