18.9.08

Reminiscências de um saudosista. (Texto)

... Com que alegria vi no Diário de Natal/O Poti, que tinha um novo Blog que falava na querida cidade de Natal de Ontem.
Sou um saudosista inveterado por Natal.
Hoje quando visito Natal, me sinto um peixe fora da água, não é a terra da minha infância e adolescência, não me sinto mais dono de Natal. Eu tinha na minha consciência que essa linda cidade era minha, que eu mandava em cada recanto dessa linda terra que eu amo tanto, mais o progresso chegou, e acabou com todos os meus sonhos.
Minha família saiu daqui de Pedro Avelino em 1953, fomos morar na Rua Oeste 321, Petrópolis. Essa rua fica espremida entre a Rua 2 de novembro e a Getúlio Vargas, na época uma das ruas mais pobre de Natal, com casas de palhas de coqueiros e de taipa, a maioria das pessoas da rua viviam de lavar roupa de ganho, carroceiros, balaieiros e na construção civil e também pescadores. Meu pai foi vender verduras no Mercado da Cidade, e começamos nossas vidas, naquele monumento lindo que era aquele mercado, ainda hoje sinto saudades dele.
(Manoel Julião Neto-Pedro Avelino/RN)
.

Um comentário:

Fatima Araujo disse...

Eu também sinto muita saudade da nossa Natal de ontem. Cheguei a Natal em 1960, era uma cidade linda, tranquila e amável, mas o progresso e a falta de preocupação em preservar nossa história destruíram o que tinha de belo. Felizes fomos nós que tivemos o privilégio de desfrutar de uma Natal que hoje baila em nossas lembranças.