30.5.09

Maria de Oliveira Barros


Maria Boa. (Sandro Fortunato*)

Cabe uma explicação aos mais jovens, aos castos e aos pudicos. Cabaré, boate, casa de massagens, puteiro, casa de strip, relax for men e outros templos do prazer carnal não são tudo a mesma coisa.
Cabaré é algo que quase não existe mais. Era o local de trabalho das damas, das mulheres da noite. Nele havia uma dona, geralmente uma senhora respeitável, douta na arte de fazer um homem gemer sem sentir dor, conhecedora de mistérios somente revelados à meia luz, entre gemidos e sussurros. Essa senhora recebia em sua casa várias meninas que, repetindo sua própria história, um dia haviam fugido de casa ou sido colocadas para fora pelo pai envergonhado da filha ingrata que desgraçara o lar fazendo safadeza antes do tempo e sem ser casada. Essas meninas tinham cada uma, seu quarto, suas coisinhas, seu mundo. Tinham hora para trabalhar. Tinham clientes preferidos. Também tinham amigos. Tinham uma vida. E, essa não era nada fácil.
Ir a um cabaré nem sempre significava buscar sexo pago. Freqüentava-se cabaré para beber, conversar com os amigos, com as meninas da casa, ver um show, enfim, para se divertir e relaxar. Ao final, você poderia voltar para casa de espírito mais tranqüilo e sem necessariamente ter chegado às vias de fato.
Na provinciana Natal desde os anos 40 a meados da década de 80, existiu o Cabaré de Maria Boa, talvez o último desses locais que merecesse ser chamado assim. Era de propriedade de uma verdadeira dama, respeitável cortesã.
Luz vermelha, quartos minúsculos com acústica privilegiada aos que passavam no corredor, toalhinha e bacia com água para lavar as partes, cerveja gelada, meninas que conversavam, mulheres mais experientes com suas “frases de sedução”: E aí, bonitão, vamos brincar um pouquinho hoje? ou Vem cá, simpático. A radiola de ficha a tocar e as meninas sonhando com alguém que as tirasse daquele lugar.
Maria Boa era natural de Campina Grande. Como teria vindo para Natal? Será que a menina, então com pouco mais de vinte anos, que deixava Campina, poderia imaginar que a Casa de Maria Boa faria fama no Brasil e no mundo e, mais que simples cabaré, viraria referência turística da capital potiguar?
Maria Boa chegou a Natal junto com os americanos e a Segunda Guerra. Sua casa levou se tornou um referencial. Era freqüentada por políticos e empresários. Funcionou por aproximadamente meio século. Já era quase uma septuagenária quando caminhava diariamente ao amanhecer pela Praia do Meio, onde morava, com uma antiga amiga. Não se sabe se nessa época ainda aparecia para gerir os negócios. Poucos tiveram a oportunidade de pousar olhos embriagados sobre sua lendária figura.
Uma história foi contada na edição do Diário de Natal, que trazia a notícia da morte de Maria. O fato ocorreu em um churrasco em família, num ambiente bem tranqüilo: “Numa cadeira ao lado, sentou uma senhora usando vestido azul e sandálias pretas. (…) Seus traços físicos ainda guardavam sinais de uma mulher que já fora muito bonita, de belo corpo. Conversei uma hora com a mulher ao lado. Ao final do papo, ela perguntou meu nome. Respondi a senhora e, por educação, fiz a mesma pergunta. Com um sorriso, ela me respondeu: “Me chamo Maria de Oliveira”. (…) Alguns minutos após, minha avó se aproximou, comentei com ela: “Que mulher distinta e educada, ela parece uma lady do tipo inglesa”. Minha avó disse: “Você estava conversando com Maria Boa”.
Outra história, na cobertura do enterro, foi registrada:
Morreu ontem, por volta de 1 hora da manhã, vítima de acidente vascular cerebral - AVC (trombose), na Casa de Saúde São Lucas, Maria Oliveira Barros, mais conhecida como Maria Boa, 77 anos. Ela fez história no Rio Grande do Norte com seu bordel. Com o sepultamento de Maria Boa, desaparece também uma figura lendária da história da cidade, que da badalação da noite envolveu-se num véu de recato e discrição, usufruindo o que amealhou com décadas de trabalho em extremo convívio familiar.
Quem não viveu a Natal dos anos sessenta, quando o sexo era reprimido “entre as moças de família”, não pode avaliar o que foi essa “instituição” para jovens iniciantes, ou para o relax de vestutas figuras do Judiciário, Legislativo e Executivo, empresários, enfim cidadãos de todos os tipos, de uma cidade com menos de 200 mil habitantes .
Junto com Maria, morreu todo o romantismo de uma época.
Hoje, temos garotas de todos os tipos, para todos os bolsos, gostos e fantasias, mas não se fazem mais Damas da Noite como antigamente.
* Acrescentadas, pelo blog, algumas notas ao texto original.

11 comentários:

Moacy Cirne disse...

Bela e justa homenagem. Infelizmente, não frequentei Maria Boa (na veredasde, s[o estive lá duas ou três vez, bebericando uma cervejinha; minha praia era mais o Arpège, o Wnder-bar, os cabarés da 15. Gostaria de republicar o seu texto no Balaio, com os devidos créditos, ok?

Um abraço.

Lívio Oliveira disse...

Como era bonita!
Parabéns pelo post, Neto!

Moacy Cirne disse...

Meu caro, vejo agora que a autoria desse texto não me parece clara: é sua ou é do Sandro Fortunato? Preciso esclarecer a dúvida para, então, republicá-lo no Balaio.

Um abraço.

Alexandre disse...

sempre escutei historias de Maria Boa quando criança, e sempre tive curiosidade de ver alguma foto ou de saber onde era o cabare dela. Com o passar dos anos conheci uma loira muito linda, e como sempre fui fã de maria boa apesar de nunca te conhecido ela pessoalmente mas so de ouvir falar dela ai a garota me revelou q era neta de Maria boa. fiquei muito surpreso e ate emocionado.

Abraço a todos que nos faz sonhar com a nossa historia...

as disse...

Amo seu blog, a história de Natal ,Maria boa, tudo muito interessante, como eu adoro fotos antigas, salvei suas fotos e postei no meu orkut, adoro!! Eu gostaria de vê publicado um pouco da história de Adiel de Lima, que era freqüentador dos cabarés de Natal naquela época, Adiel de Lima é o que certa vez, causou escândalo entre a sociedade natalense ao desfilar de estudante da escola doméstica no carnaval...

Anônimo disse...

Muito boa a resportagem, ficou um certo ar de nostálgia ...mesmo não tendo vivido essa época, que acredito ter cido bem tranquila sem violência....sem crack. Mas senti falta da localização, fiquei curioso no que é hoje a "casa" que foi o Cabaré.

Juan Gonzales disse...

Onde se localiza hoje o prédio que já foi, um dia, o Cabaré de Maria Boa?

Anônimo disse...

meu pai já comeu. kkkkkkkkkkkkkkkkkk

Stephane disse...

Estou fazendo uma pesquisa sobre Maria Boa com a finalidade de montar uma peça pós moderna relacionada a sua história e tenho gostado muito das informações que estou encontrando.
Obrigada!

BLOG DO BULHÕES disse...

Pesquisando na Net me deparei com vários artigos sobre MARIA BOA. Quanta saudade da minha juventude nos anos 60 e 70 na minha querida Natal. Quanta vezes estive farreando no Cabaré de Maria Boa, Rita Loira, Arpege, Acapulco e até na 15 de novembro. Recordar realmente é viver!

BLOG DO BULHÕES disse...

Pesquisando na Net me deparei com vários artigos sobre MARIA BOA. Quanta saudade da minha juventude nos anos 60 e 70 na minha querida Natal. Quanta vezes estive farreando no Cabaré de Maria Boa, Rita Loira, Arpege, Acapulco e até na 15 de novembro. Recordar realmente é viver!